O MOVIMENTO SINDICAL A pauta do Movimento Sindical tem se tornado cada vez mais ampla e complexa. A partir dos anos 90, com a intensificação da globalização econômica e a adoção da chamada política de integração competitiva, a economia brasileira vem passando por um acelerado processo de reestruturação produtiva. A estabilização econômica, iniciada a partir da implantação do Plano Real, deu também nova configuração às reivindicações salariais e às negociações coletivas. Por isso, a partir de uma discussão nacional, foi elaborado o DIEESE 2000 - um planejamento de atividades para os próximos anos -, para responder às questões colocadas pela atual conjuntura e aos desafios que irão surgir e se intensificar no futuro. O objetivo é aperfeiçoar o DIEESE como um dos centros técnicos de referência no desenvolvimento de pesquisa, assessoria, comunicação e educação nos temas: Renda; Emprego; Custo de Vida; Negociação; Reestruturação Produtiva. As atividades que concretizam o planejamento estão organizadas programas de trabalho, visando atender às demandas sindicais. em Neste momento esta em elaboração o planejamento Dieese 50 anos, através de consultas e discussões envolvendo todas as áreas do Dieese e do Movimento Sindical Sindicalismo é o movimento social de associação de trabalhadores assalariados para a proteção dos seus interesses. Ao mesmo tempo, é também uma doutrina política segundo a qual os trabalhadores agrupados em sindicatos devem ter um papel ativo na condução da sociedade. História O sindicalismo tem origem nas corporações de ofício na Europa medieval. No século XVIII, durante a revolução industrial na Inglaterra, os trabalhadores, oriundos das indústrias têxteis, doentes e desempregados juntavam-se nas sociedades de socorro mútuos. Esta revolução teve um papel crucial no advento do capitalismo, pois, devido à constante concorrência que os fabricantes capitalistas faziam entre si, as máquinas foram ganhando cada vez mais lugar nas fábricas, tomando assim, o lugar de muitos operários, estes tornaram-se o que é chamado "excedente de mão-de-obra", logo o capitalista tornou-se dono da situação e tinha o poder de pagar o salário que quisesse ao operário. É neste momento que surgem duas novas classes sociais, o capitalista e o proletário, onde o capitalista é o proprietário dos meios de produção: (fábricas, máquinas, matéria-prima). por outro lado, o proletário, que era proprietário apenas de sua força de trabalho, passou a ser propriedade do capitalista, que pagava salários cada vez mais baixos para obter mais lucros, forçando o proletário a trabalhar em uma jornada de trabalho que chegava até 16 horas. É através desta situação que o proletariado percebe a necessidade de se associarem e, juntos, tentarem negociar as suas condições de trabalho. Com isso surgem os sindicatos, associações criadas pelos operários, buscando lhes equiparar de alguma maneira aos capitalistas no momento de negociação de salários e condições de trabalho, e impedir que o operário seja obrigado a aceitar a primeira proposta feita pelo empregador, ou seja, a que ele é mais prejudicado Durante a revolução francesa surgiram idéias liberais, que estimulavam a aprovação de leis proibitivas à atividade sindical, a exemplo da Lei Chapelier que, em nome da liberdade dos Direitos do Homem, considerou ilegais as associações de trabalhadores e patrões. As organizações sindicais, contudo, reergueram-se clandestinamente no século XIX. No Reino Unido, em 1871, e na França, em 1884, foi reconhecida a legalidade dos sindicatos e associações. Com a Segunda Guerra Mundial, as idéias comunistas e socialistas predominaram nos movimentos sindicais espanhóis e italianos. Nos Estados Unidos, o sindicalismo nasceu por volta de 1827 e, em 1886, foi constituída a Federação Americana do Trabalho (AFL), contrária à reforma ou mudança da sociedade. Defendia o sindicalismo de resultados e não se vinculava a correntes doutrinárias e políticas. [editar] Sindicalismo no Brasil No Brasil, com a abolição da escravatura e a proclamação da República, a economia se diversificou, e as atividades manufatureiras surgiram nos centros urbanos e no litoral brasileiro, atraindo levas de imigrantes vindos da Europa. Os trabalhadores que então migravam tinham uma experiência de trabalho assalariado e de um leque de direitos trabalhistas conquistados no mundo desenvolvido. Chegando ao Brasil se deparavam com uma sociedade atrasada no quesito direitos e com práticas escravocratas. Rapidamente esses homens começaram a se organizar, formando o que viriam a ser os sindicatos.O movimento sindical efetivou-se basicamente no século XX, em decorrência do processo de industrialização, e esteve ligado a correntes ideológicas como o positivismo, o marxismo, o socialismo, o anarquismo, o Anarcossindicalismo, o trabalhismo vanguardista, e o populismo. O movimento sindical mais forte no Brasil ocorreu em São Paulo, onde os imigrantes integravam a massa de trabalhadores das fábricas e indústrias. Os sindicalistas ativos eram os anarquistas italianos que, surpreendendo os governantes, desencadearam uma onda de rebeliões, que foi contida por uma violenta repressão policial. No Rio de Janeiro o movimento sindicalista foi diferente do ocorrido em São paulo. Suas preocupações estavam em causas mais imediatas como a melhoria de salários e a diminuição do horário de trabalho, portanto tal movimento não visava a uma transformação da sociedade através dos sindicatos, princípio básico do Anarcossindicalismo. [editar] 1930 Em 1930, o Governo Federal criou o Ministério do Trabalho e em 1931 regulamentou, por decreto, a sindicalização das classes patronais e operárias. Criou as Juntas de Conciliação e Julgamento e, com a promulgação da Constituição do Estado Novo, a unicidade sindical. A regulamentação do trabalho e os institutos de previdência social ocorreram também naquele momento histórico. As organizações sindicais passaram a ter caráter paraestatal, a greve foi proibida e foi instituído o imposto sindical. Em 1955, o movimento sindical brasileiro voltou a expandir-se, havendo sido formados, em 1961, o Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) e o Pacto de Unidade e Ação (PUA). [editar] 1964 Com o golpe militar de 1964, contudo, os sindicatos e sindicalistas foram duramente reprimidos, limitaram a Lei de Greve e substituíram a estabilidade no emprego pelo Fundo de Garantia, dentre outras medidas. Em 1968, em Osasco, São Paulo e Contagem, os trabalhadores se levantaram em greve de grande envergadura. Em 1970 surgiram novas lideranças sindicais e, a partir de 1980, os trabalhadores rurais das usinas de açúcar e álcool, no Nordeste e São Paulo, e das plantações de laranja do interior de São Paulo, juntaram-se aos desempregados, e sob a influência da Central Única dos Trabalhadores (CUT), de partidos de esquerda e de poucos parlamentares progressistas, organizaram-se em movimentos a exemplo do Movimento dos Sem Terra (MST). [editar] Dias atuais Atualmente, o sindicalismo brasileiro passa por um momento de renovação por conta das novas demandas, como a empregabilidade, a globalização dos serviços e cada vez mais, a luta por condições dignas de trabalho. [editar] Veja também • • • • Anarcossindicalismo Nacional-sindicalismo greve escravidão do salário Obtida de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Sindicalismo" O QUE É O DIEESE? Desde 1955, o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos vem desempenhando o papel para o qual foi criado pelo Movimento Sindical : desenvolver atividades de pesquisa, assessoria, educação e comunicação nos temas relacionados ao mundo do trabalho e que se ajustam aos desafios que a realidade coloca para a organização dos trabalhadores brasileiros. Ao longo desse tempo, a instituição consolidou-se pela sua eficiência e credibilidade, tornando-se uma fonte de dados, informações e análises confiáveis para as entidades sindicais e para a sociedade. Trata-se de uma criação única do Movimento Sindical brasileiro: sua forma de organização, seu pluralismo e sua história não têm correspondência em nenhuma outra parte do mundo. É uma entidade civil sem fins lucrativos, mantida pela contribuição das entidades sindicais filiadas, onde estão representadas todas as correntes do Movimento Sindical brasileiro. Seu comando é composto por: Direção Sindical Nacional , responsável pela orientação política, pelas diretrizes do planejamento e pela dotação orçamentária; Direção Sindical Executiva , que acompanha e avalia as atividades da instituição no seu cotidiano. Direção Técnica , que executa o orçamento e o planejamento. Conheça detalhes sobre as diferentes instâncias deliberativas e diretivas consultando o estatuto do DIEESE. NEGOCIAÇÃO E ASSESSORIA SINDICAL A negociação coletiva é um dos momentos mais importantes da ação sindical em sua luta por melhores salários, emprego e condições de trabalho. Nos últimos anos, novos temas se incorporaram à pauta sindical, como tecnologia e novas formas de organização do trabalho e da produção, participação nos lucros e resultados, entre outros. O DIEESE assessora as entidades filiadas, realizando trabalhos técnicos específicos para as categorias, tais como estudos salariais, desempenho dos setores, análises do balanço das empresas, entre outros, além de assessorar as negociações coletivas. O DIEESE também realiza palestras e debates sobre os temas da conjuntura ou do cotidiano sindical e participa de assembléias, congressos e reuniões técnicas. Para prestar informações e resolver dúvidas das entidades filiadas, o Escritório Nacional e os Escritórios Regionais mantém um plantão de atendimento pessoal e telefônico. Por isso, o Planejamento 2000 criou o PROSIND - Programa de Negociação e Assessoria Sindical - que tem como diretrizes fortalecer e aperfeiçoar o papel da instituição como assessoria do movimento sindical e o atendimento às demandas setoriais e, ainda, aperfeiçoar as formas de relacio NAMEnto com as Centrais Sindicais. BANCOS DE DADOS Cada vez mais, a informação é indispensável para a ação sindical. Assim, o DIEESE vem desenvolvendo uma série de atividades reunidas no PROINFO Programa de Informação -, que tem como objetivo prover acesso mais rápido e eficaz à sua produção técnica e às informações sobre o mundo do trabalho. Os sistemas informatizados são compostos por: Bancos de Dados Banco de Dados Sindicais: que inclui o Banco de Dados Salariais; o SACC Sistema de Acompanhamento de Contratações Coletivas e o Banco de Greves; Banco de Dados Macroeconômicos; Banco de Dados do ICV; Bando de Dados da Cesta Básica Nacional; Bando de Dados da Cesta Básica Diária; Banco de Dados de Mercado de Trabalho; Banco de Dados do Mercado de Trabalho Mundial. BIBLIOTECA E CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO: com acervo de 40 mil documentos, especializada em conjuntura econômica e movimento sindical; SISTEMAS INFORMATIZADOS DE COMUNICAÇÃO EM REDE: (correioseletrônicos e conferências), que integram o Escritório Nacional, os Escritórios Regionais e as Subseções. Uma das diretrizes do planejamento é ampliar, aperfeiçoar e consolidar a Rede DIEESE e os sistemas de informação e documentação. EDUCAÇÃO As atividades do PROEDUC compõem o tripé - pesquisa, assessoria e educação - que integra todos os trabalhos do DIEESE. São cursos e seminários desenvolvidos e ministrados para entidades sindicais sobre os temas da agenda sindical, como negociação, matemática sindical, reestruturação produtiva, participação nos lucros e resultados, planejamento de campanha salarial, entre outros. A metodologia desenvolvida e utilizada nos cursos e seminários visa um processo de acumulação progressiva de conhecimento, combinando experiência de vida e conhecimento científico. É uma metodologia para a reflexão e a ação, que visa promover a formação para a autonomia, com a ampliação da capacidade de análise e planejamento dos indivíduos, domínio crescente dos métodos e instrumentos de análise dos problemas e que propicia a compreensão e reconhecimento da posição do outro. As atividades de capacitação objetivam construir um conhecimento que seja um instrumento efetivo de motivação e planejamento da ação coletiva. PESQUISAS As diretrizes do PROPESQ - Programa de Pesquisas Permanentes são aperfeiçoar as atuais pesquisas e formular projetos adequados às novas situações sócio-econômicas. As pesquisas permanentes têm como objetivo produzir indicadores e análises sobre temas fundamentais para os trabalhadores, como emprego e custo de vida, contribuindo para um melhor conhecimento e compreensão da realidade brasileira. São elas: ICV - Índice de Custo de Vida no Município de São Paulo; Pesquisa Nacional da Cesta Básica e Salário Mínimo Necessário; Pesquisa Diária da Cesta Básica em São Paulo em convênio com o Procon-SP; POF - Pesquisa de Orçamento Familiar; PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego nas regiões metropolitanas de São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Recife e no Distrito Federal através Convênios Regionais. do convênio DIEESE/SEADE/MTE/FAT e Além dessas, o DIEESE realiza o PROTEMA - Programa de Pesquisas Temáticas, que engloba as pesquisas sobre temas específicos, com duração determinada. Essas pesquisas são realizadas em função da necessidade de reunir conhecimentos sobre determinado tema, por exemplo, reestruturação produtiva, distribuição de renda, terceirização e emprego, ou por solicitação das entidades sindicais, como pesquisas para conhecer o perfil sócioeconômico e a trajetória profissional de uma categoria. COMUNICAÇÃO Difundir os estudos do DIEESE para o movimento sindical, diversificar os instrumentos de divulgação da produção técnica e aperfeiçoar a política de relacio NAMEnto com a imprensa sindical e a grande imprensa são as diretrizes seguidas no PROMÍDIA - Programa de Comunicação. Para tal, são editadas publicações periódicas e regulares, que são enviadas às entidades sindicais filiadas, para divulgar sua produção ao movimento sindical e à sociedade. Lista de Publicações Relatório de atividades COOPERAÇÃO TÉCNICA Para potencializar as atividades de pesquisa, formação e divulgação da produção técnica, o DIEESE estabelece intercâmbio, cooperação técnica e convênios nacionais e internacionais com universidades, instituições de pesquisa, entidades da sociedade civil e dos governos federal, estaduais e municipais, que estão englobados no PROCOOP - Programa de Cooperação Técnica. Esse esforço busca também ampliar e consolidar os vínculos com outras entidades e organismos que desenvolvem atividades relacionadas às questões de interesse dos trabalhadores. Além disso, o DIEESE tem participado de fóruns institucionais relacionados aos eixos temáticos prioritários do Planejamento, trabalhando, em conjunto com as Centrais Sindicais, na definição de intervenções nos espaços públicos e estatais em temas como emprego, reestruturação produtiva, qualidade e produtividade e formação profissional, entre outros. A lista completa das atividades de cooperação técnica, representação e relações institucionais desenvolvidas pelo Dieese encontra-se no relatório de atividades do ano. ESTRUTURA NACIONAL O DIEESE é uma entidade de abrangência nacional, com sede em São Paulo ( Escritório Nacional ) e Escritórios Regionais em quinze Estados da Federação (Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe). Além disso, possui subseções em todo o território nacional em entidades sindicais de trabalhadores metalúrgicos, bancários, eletricitários, químicos e petroquímicos, telecomunicações, professores, servidores públicos e petroleiros. A instituição possui atualmente uma equipe técnica multidisciplinar composta de sociólogos, economistas, engenheiros de produção, analistas de sistemas, estatísticos, entre outros. Em todo o país, trabalham também pesquisadores de campo e equipe administrativa. COMO USAR O DIEESE O DIEESE proporciona a cada entidade filiada a assistência necessária, provendo subsídios para a luta em todas as frentes do movimento sindical. As entidades filiadas dispõem da assessoria dos técnicos do Escritório Nacional e dos Escritórios Regionais . Em muitas entidades, a necessidade de contar com uma assessoria permanente e direta fez com que fossem criadas as Subseções . Estas são extensões da instituição, com a presença de um ou mais técnicos, dedicando as horas contratadas a serviço exclusivo de uma categoria. COMO SE FILIAR Para se filiar, basta a entidade interessada preencher a Ficha de Filiação e remetê-la ao DIEESE acompanhada dos estatutos e da ata da assembléia da categoria que autoriza a filiação. Veja no estatuto as condições de filiação . Maiores informações podem ser obtidas no Escritório Nacional e nos Escritórios Regionais. SOLICITAÇÃO DE TRABALHOS Para solicitar trabalhos ao DIEESE, basta se dirigir ao Escritório Nacional ou aos Escritórios Regionais por carta, correio eletrônico , telefone ou fax. É necessário que os pedidos de trabalhos técnicos cursos e seminários, participação em eventos ou negociações coletivas sejam feitos com antecedência para que todos os filiados possam ser atendidos.
Please download to view
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

O MOVIMENTO SINDICAL

by andremelo0807

on

Report

Category:

Documents

Download: 0

Comment: 0

881

views

Comments

Description

Download O MOVIMENTO SINDICAL

Transcript

O MOVIMENTO SINDICAL A pauta do Movimento Sindical tem se tornado cada vez mais ampla e complexa. A partir dos anos 90, com a intensificação da globalização econômica e a adoção da chamada política de integração competitiva, a economia brasileira vem passando por um acelerado processo de reestruturação produtiva. A estabilização econômica, iniciada a partir da implantação do Plano Real, deu também nova configuração às reivindicações salariais e às negociações coletivas. Por isso, a partir de uma discussão nacional, foi elaborado o DIEESE 2000 - um planejamento de atividades para os próximos anos -, para responder às questões colocadas pela atual conjuntura e aos desafios que irão surgir e se intensificar no futuro. O objetivo é aperfeiçoar o DIEESE como um dos centros técnicos de referência no desenvolvimento de pesquisa, assessoria, comunicação e educação nos temas: Renda; Emprego; Custo de Vida; Negociação; Reestruturação Produtiva. As atividades que concretizam o planejamento estão organizadas programas de trabalho, visando atender às demandas sindicais. em Neste momento esta em elaboração o planejamento Dieese 50 anos, através de consultas e discussões envolvendo todas as áreas do Dieese e do Movimento Sindical Sindicalismo é o movimento social de associação de trabalhadores assalariados para a proteção dos seus interesses. Ao mesmo tempo, é também uma doutrina política segundo a qual os trabalhadores agrupados em sindicatos devem ter um papel ativo na condução da sociedade. História O sindicalismo tem origem nas corporações de ofício na Europa medieval. No século XVIII, durante a revolução industrial na Inglaterra, os trabalhadores, oriundos das indústrias têxteis, doentes e desempregados juntavam-se nas sociedades de socorro mútuos. Esta revolução teve um papel crucial no advento do capitalismo, pois, devido à constante concorrência que os fabricantes capitalistas faziam entre si, as máquinas foram ganhando cada vez mais lugar nas fábricas, tomando assim, o lugar de muitos operários, estes tornaram-se o que é chamado "excedente de mão-de-obra", logo o capitalista tornou-se dono da situação e tinha o poder de pagar o salário que quisesse ao operário. É neste momento que surgem duas novas classes sociais, o capitalista e o proletário, onde o capitalista é o proprietário dos meios de produção: (fábricas, máquinas, matéria-prima). por outro lado, o proletário, que era proprietário apenas de sua força de trabalho, passou a ser propriedade do capitalista, que pagava salários cada vez mais baixos para obter mais lucros, forçando o proletário a trabalhar em uma jornada de trabalho que chegava até 16 horas. É através desta situação que o proletariado percebe a necessidade de se associarem e, juntos, tentarem negociar as suas condições de trabalho. Com isso surgem os sindicatos, associações criadas pelos operários, buscando lhes equiparar de alguma maneira aos capitalistas no momento de negociação de salários e condições de trabalho, e impedir que o operário seja obrigado a aceitar a primeira proposta feita pelo empregador, ou seja, a que ele é mais prejudicado Durante a revolução francesa surgiram idéias liberais, que estimulavam a aprovação de leis proibitivas à atividade sindical, a exemplo da Lei Chapelier que, em nome da liberdade dos Direitos do Homem, considerou ilegais as associações de trabalhadores e patrões. As organizações sindicais, contudo, reergueram-se clandestinamente no século XIX. No Reino Unido, em 1871, e na França, em 1884, foi reconhecida a legalidade dos sindicatos e associações. Com a Segunda Guerra Mundial, as idéias comunistas e socialistas predominaram nos movimentos sindicais espanhóis e italianos. Nos Estados Unidos, o sindicalismo nasceu por volta de 1827 e, em 1886, foi constituída a Federação Americana do Trabalho (AFL), contrária à reforma ou mudança da sociedade. Defendia o sindicalismo de resultados e não se vinculava a correntes doutrinárias e políticas. [editar] Sindicalismo no Brasil No Brasil, com a abolição da escravatura e a proclamação da República, a economia se diversificou, e as atividades manufatureiras surgiram nos centros urbanos e no litoral brasileiro, atraindo levas de imigrantes vindos da Europa. Os trabalhadores que então migravam tinham uma experiência de trabalho assalariado e de um leque de direitos trabalhistas conquistados no mundo desenvolvido. Chegando ao Brasil se deparavam com uma sociedade atrasada no quesito direitos e com práticas escravocratas. Rapidamente esses homens começaram a se organizar, formando o que viriam a ser os sindicatos.O movimento sindical efetivou-se basicamente no século XX, em decorrência do processo de industrialização, e esteve ligado a correntes ideológicas como o positivismo, o marxismo, o socialismo, o anarquismo, o Anarcossindicalismo, o trabalhismo vanguardista, e o populismo. O movimento sindical mais forte no Brasil ocorreu em São Paulo, onde os imigrantes integravam a massa de trabalhadores das fábricas e indústrias. Os sindicalistas ativos eram os anarquistas italianos que, surpreendendo os governantes, desencadearam uma onda de rebeliões, que foi contida por uma violenta repressão policial. No Rio de Janeiro o movimento sindicalista foi diferente do ocorrido em São paulo. Suas preocupações estavam em causas mais imediatas como a melhoria de salários e a diminuição do horário de trabalho, portanto tal movimento não visava a uma transformação da sociedade através dos sindicatos, princípio básico do Anarcossindicalismo. [editar] 1930 Em 1930, o Governo Federal criou o Ministério do Trabalho e em 1931 regulamentou, por decreto, a sindicalização das classes patronais e operárias. Criou as Juntas de Conciliação e Julgamento e, com a promulgação da Constituição do Estado Novo, a unicidade sindical. A regulamentação do trabalho e os institutos de previdência social ocorreram também naquele momento histórico. As organizações sindicais passaram a ter caráter paraestatal, a greve foi proibida e foi instituído o imposto sindical. Em 1955, o movimento sindical brasileiro voltou a expandir-se, havendo sido formados, em 1961, o Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) e o Pacto de Unidade e Ação (PUA). [editar] 1964 Com o golpe militar de 1964, contudo, os sindicatos e sindicalistas foram duramente reprimidos, limitaram a Lei de Greve e substituíram a estabilidade no emprego pelo Fundo de Garantia, dentre outras medidas. Em 1968, em Osasco, São Paulo e Contagem, os trabalhadores se levantaram em greve de grande envergadura. Em 1970 surgiram novas lideranças sindicais e, a partir de 1980, os trabalhadores rurais das usinas de açúcar e álcool, no Nordeste e São Paulo, e das plantações de laranja do interior de São Paulo, juntaram-se aos desempregados, e sob a influência da Central Única dos Trabalhadores (CUT), de partidos de esquerda e de poucos parlamentares progressistas, organizaram-se em movimentos a exemplo do Movimento dos Sem Terra (MST). [editar] Dias atuais Atualmente, o sindicalismo brasileiro passa por um momento de renovação por conta das novas demandas, como a empregabilidade, a globalização dos serviços e cada vez mais, a luta por condições dignas de trabalho. [editar] Veja também • • • • Anarcossindicalismo Nacional-sindicalismo greve escravidão do salário Obtida de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Sindicalismo" O QUE É O DIEESE? Desde 1955, o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos vem desempenhando o papel para o qual foi criado pelo Movimento Sindical : desenvolver atividades de pesquisa, assessoria, educação e comunicação nos temas relacionados ao mundo do trabalho e que se ajustam aos desafios que a realidade coloca para a organização dos trabalhadores brasileiros. Ao longo desse tempo, a instituição consolidou-se pela sua eficiência e credibilidade, tornando-se uma fonte de dados, informações e análises confiáveis para as entidades sindicais e para a sociedade. Trata-se de uma criação única do Movimento Sindical brasileiro: sua forma de organização, seu pluralismo e sua história não têm correspondência em nenhuma outra parte do mundo. É uma entidade civil sem fins lucrativos, mantida pela contribuição das entidades sindicais filiadas, onde estão representadas todas as correntes do Movimento Sindical brasileiro. Seu comando é composto por: Direção Sindical Nacional , responsável pela orientação política, pelas diretrizes do planejamento e pela dotação orçamentária; Direção Sindical Executiva , que acompanha e avalia as atividades da instituição no seu cotidiano. Direção Técnica , que executa o orçamento e o planejamento. Conheça detalhes sobre as diferentes instâncias deliberativas e diretivas consultando o estatuto do DIEESE. NEGOCIAÇÃO E ASSESSORIA SINDICAL A negociação coletiva é um dos momentos mais importantes da ação sindical em sua luta por melhores salários, emprego e condições de trabalho. Nos últimos anos, novos temas se incorporaram à pauta sindical, como tecnologia e novas formas de organização do trabalho e da produção, participação nos lucros e resultados, entre outros. O DIEESE assessora as entidades filiadas, realizando trabalhos técnicos específicos para as categorias, tais como estudos salariais, desempenho dos setores, análises do balanço das empresas, entre outros, além de assessorar as negociações coletivas. O DIEESE também realiza palestras e debates sobre os temas da conjuntura ou do cotidiano sindical e participa de assembléias, congressos e reuniões técnicas. Para prestar informações e resolver dúvidas das entidades filiadas, o Escritório Nacional e os Escritórios Regionais mantém um plantão de atendimento pessoal e telefônico. Por isso, o Planejamento 2000 criou o PROSIND - Programa de Negociação e Assessoria Sindical - que tem como diretrizes fortalecer e aperfeiçoar o papel da instituição como assessoria do movimento sindical e o atendimento às demandas setoriais e, ainda, aperfeiçoar as formas de relacio NAMEnto com as Centrais Sindicais. BANCOS DE DADOS Cada vez mais, a informação é indispensável para a ação sindical. Assim, o DIEESE vem desenvolvendo uma série de atividades reunidas no PROINFO Programa de Informação -, que tem como objetivo prover acesso mais rápido e eficaz à sua produção técnica e às informações sobre o mundo do trabalho. Os sistemas informatizados são compostos por: Bancos de Dados Banco de Dados Sindicais: que inclui o Banco de Dados Salariais; o SACC Sistema de Acompanhamento de Contratações Coletivas e o Banco de Greves; Banco de Dados Macroeconômicos; Banco de Dados do ICV; Bando de Dados da Cesta Básica Nacional; Bando de Dados da Cesta Básica Diária; Banco de Dados de Mercado de Trabalho; Banco de Dados do Mercado de Trabalho Mundial. BIBLIOTECA E CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO: com acervo de 40 mil documentos, especializada em conjuntura econômica e movimento sindical; SISTEMAS INFORMATIZADOS DE COMUNICAÇÃO EM REDE: (correioseletrônicos e conferências), que integram o Escritório Nacional, os Escritórios Regionais e as Subseções. Uma das diretrizes do planejamento é ampliar, aperfeiçoar e consolidar a Rede DIEESE e os sistemas de informação e documentação. EDUCAÇÃO As atividades do PROEDUC compõem o tripé - pesquisa, assessoria e educação - que integra todos os trabalhos do DIEESE. São cursos e seminários desenvolvidos e ministrados para entidades sindicais sobre os temas da agenda sindical, como negociação, matemática sindical, reestruturação produtiva, participação nos lucros e resultados, planejamento de campanha salarial, entre outros. A metodologia desenvolvida e utilizada nos cursos e seminários visa um processo de acumulação progressiva de conhecimento, combinando experiência de vida e conhecimento científico. É uma metodologia para a reflexão e a ação, que visa promover a formação para a autonomia, com a ampliação da capacidade de análise e planejamento dos indivíduos, domínio crescente dos métodos e instrumentos de análise dos problemas e que propicia a compreensão e reconhecimento da posição do outro. As atividades de capacitação objetivam construir um conhecimento que seja um instrumento efetivo de motivação e planejamento da ação coletiva. PESQUISAS As diretrizes do PROPESQ - Programa de Pesquisas Permanentes são aperfeiçoar as atuais pesquisas e formular projetos adequados às novas situações sócio-econômicas. As pesquisas permanentes têm como objetivo produzir indicadores e análises sobre temas fundamentais para os trabalhadores, como emprego e custo de vida, contribuindo para um melhor conhecimento e compreensão da realidade brasileira. São elas: ICV - Índice de Custo de Vida no Município de São Paulo; Pesquisa Nacional da Cesta Básica e Salário Mínimo Necessário; Pesquisa Diária da Cesta Básica em São Paulo em convênio com o Procon-SP; POF - Pesquisa de Orçamento Familiar; PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego nas regiões metropolitanas de São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Recife e no Distrito Federal através Convênios Regionais. do convênio DIEESE/SEADE/MTE/FAT e Além dessas, o DIEESE realiza o PROTEMA - Programa de Pesquisas Temáticas, que engloba as pesquisas sobre temas específicos, com duração determinada. Essas pesquisas são realizadas em função da necessidade de reunir conhecimentos sobre determinado tema, por exemplo, reestruturação produtiva, distribuição de renda, terceirização e emprego, ou por solicitação das entidades sindicais, como pesquisas para conhecer o perfil sócioeconômico e a trajetória profissional de uma categoria. COMUNICAÇÃO Difundir os estudos do DIEESE para o movimento sindical, diversificar os instrumentos de divulgação da produção técnica e aperfeiçoar a política de relacio NAMEnto com a imprensa sindical e a grande imprensa são as diretrizes seguidas no PROMÍDIA - Programa de Comunicação. Para tal, são editadas publicações periódicas e regulares, que são enviadas às entidades sindicais filiadas, para divulgar sua produção ao movimento sindical e à sociedade. Lista de Publicações Relatório de atividades COOPERAÇÃO TÉCNICA Para potencializar as atividades de pesquisa, formação e divulgação da produção técnica, o DIEESE estabelece intercâmbio, cooperação técnica e convênios nacionais e internacionais com universidades, instituições de pesquisa, entidades da sociedade civil e dos governos federal, estaduais e municipais, que estão englobados no PROCOOP - Programa de Cooperação Técnica. Esse esforço busca também ampliar e consolidar os vínculos com outras entidades e organismos que desenvolvem atividades relacionadas às questões de interesse dos trabalhadores. Além disso, o DIEESE tem participado de fóruns institucionais relacionados aos eixos temáticos prioritários do Planejamento, trabalhando, em conjunto com as Centrais Sindicais, na definição de intervenções nos espaços públicos e estatais em temas como emprego, reestruturação produtiva, qualidade e produtividade e formação profissional, entre outros. A lista completa das atividades de cooperação técnica, representação e relações institucionais desenvolvidas pelo Dieese encontra-se no relatório de atividades do ano. ESTRUTURA NACIONAL O DIEESE é uma entidade de abrangência nacional, com sede em São Paulo ( Escritório Nacional ) e Escritórios Regionais em quinze Estados da Federação (Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe). Além disso, possui subseções em todo o território nacional em entidades sindicais de trabalhadores metalúrgicos, bancários, eletricitários, químicos e petroquímicos, telecomunicações, professores, servidores públicos e petroleiros. A instituição possui atualmente uma equipe técnica multidisciplinar composta de sociólogos, economistas, engenheiros de produção, analistas de sistemas, estatísticos, entre outros. Em todo o país, trabalham também pesquisadores de campo e equipe administrativa. COMO USAR O DIEESE O DIEESE proporciona a cada entidade filiada a assistência necessária, provendo subsídios para a luta em todas as frentes do movimento sindical. As entidades filiadas dispõem da assessoria dos técnicos do Escritório Nacional e dos Escritórios Regionais . Em muitas entidades, a necessidade de contar com uma assessoria permanente e direta fez com que fossem criadas as Subseções . Estas são extensões da instituição, com a presença de um ou mais técnicos, dedicando as horas contratadas a serviço exclusivo de uma categoria. COMO SE FILIAR Para se filiar, basta a entidade interessada preencher a Ficha de Filiação e remetê-la ao DIEESE acompanhada dos estatutos e da ata da assembléia da categoria que autoriza a filiação. Veja no estatuto as condições de filiação . Maiores informações podem ser obtidas no Escritório Nacional e nos Escritórios Regionais. SOLICITAÇÃO DE TRABALHOS Para solicitar trabalhos ao DIEESE, basta se dirigir ao Escritório Nacional ou aos Escritórios Regionais por carta, correio eletrônico , telefone ou fax. É necessário que os pedidos de trabalhos técnicos cursos e seminários, participação em eventos ou negociações coletivas sejam feitos com antecedência para que todos os filiados possam ser atendidos.
Fly UP